O CONTRA-ATAQUE DA FÉ

O CONTRA-ATAQUE DA FÉ
Compartilhar

O CONTRA-ATAQUE DA FÉ

Salmo 119.176

Andei [ando] sem rumo [errante], como ovelha perdida [sem rumo; desgarrada]; vem buscar [procura] teu servo, pois não me esqueci [esqueço] de teus mandamentos.

Final inesperado!

Acho intrigante um filme (ou um livro) com final inesperado!

A pessoa fica atenta até o último momento, aguardando o desfecho numa direção e, de repente, bum!, vem o final inesperado. E, o que é pior, inesperado e sem sentido. Muitos finais são mais misteriosos do que esclarecedores, deixam mais perguntas no ar do que apresentam respostas. Em alguns casos, chega a ser frustrante. Principalmente quando o autor ou o roteirista não conseguiu comunicar a mensagem; e pensa que deixou algo profundo no ar. Por que eles fazem isso?

Penso que o objetivo é nos deixar pensando. Isso mesmo, finais “intrigantes”, muitas vezes, têm como alvo a nossa reflexão posterior. Pelo menos esse é o caso do Salmo 119. Apesar de intrigante, esse final não é sem sentido; e há sim uma mensagem muito forte sendo comunicada, que requer a nossa reflexão posterior. É o que faremos.

Por que inesperado?

Pense comigo…

O Salmo 119 é declaradamente o texto mais dedicado ao louvor e ao compromisso com a palavra de Deus em toda a Bíblia. São 176 versículos dedicados às Escrituras. É um salmo acróstico, composto de 22 estrofes de 8 versículos cada. Cada uma das 22 estrofes é construída à partir de uma letra hebraica diferente, das 22 que há no alfabeto hebraico; e em cada uma das 22 estrofes, cada um dos 8 versículos começa com a mesma letra da respectiva estrofe. Por isso que em algumas Bíblias (p.ex., NVI, ARC, NAA), cada estrofe do Salmo 119 traz sobrescritas as seguintes palavras: Álefe, Bete, Guímel, Dálete, Hê, Vave, Zaine, Hete, Tete, Iode, Cafe, Lâmede, Meme,etc. São as letras do alfabeto hebraico correspondentes àquela estrofe e sobre as quais cada estrofe e cada versículo correspondentes estão construídos.

Esse arranjo acróstico foi cuidadosamente projetado e executado para fins mnemônicos (para facilitar a memorização do salmo). Um estudante judeu aprendia os seus ABCs teológicos e doutrinários através da memorização dessas e de outras grandes verdades da Bíblia. Memorizar e meditar é o tipo de coisa que você faz quando você tem prazer “na lei do SENHOR”(Sl 1.2) e quando você acredita, como Davi (Sl 19.7-10), que:

7A leido SENHOR é perfeita

e revigora a alma.

Os decretosdo SENHOR são dignos de confiança

e dão sabedoria aos ingênuos.

8Os preceitosdo SENHOR são justos

e alegram o coração.

Os mandamentosdo SENHOR são límpidos

e iluminam a vida.

9O temordo SENHOR é puro

e dura para sempre.

As instruçõesdo SENHOR são verdadeiras

e todas elas são corretas.

10São mais desejáveis que o ouro,

mesmo o ouro puro.

São mais doces que o mel,

mesmo o mel que goteja do favo.

Essa é uma maneira de alguém passar a noite ou o dia: remoendo a palavra de Deus em sua mente, buscando enxergar os seus muitos ângulos diferentes e possíveis de se ver.

Paulo tanto sabia dessa verdade maravilhosa que aconselhou Timóteo a ponderarnas palavras inspiradamente escritas na carta. Ouça (2Tm 2.7):

Pense no que estou lhe dizendo. O Senhor o ajudará a entender todas essas coisas.

O apóstolo assim exortou seu discípulo Timóteo por reconhecer que é lendo o texto sagrado, memorizando-o e meditando nele, que nós descobrimos as grandezas de Deus para o indescritível prazer de nossa alma (Ef 3.4):

Ao lerem o que escrevi, entenderão minha compreensão desse segredo a respeito de Cristo,

Comentando sobre esse versículo de Efésios, John Piper escreveu que

É surpreendente e maravilhoso que Deus tenha designado algo tão comum como a leitura para ser o meio de se ver algo tão extraordinário — a glória de Cristo, as insondáveis riquezas de Cristo [Ef 3.8 e Cl 1.28]. “Ao lerem o que escrevi, entenderão minha compreensão desse segredo a respeito de Cristo”.

Assim Davi viveu; foi assim que ele investiu sua vida: lendo, memorizando e meditando na palavra de Deus. Esse, portanto, é o pano de fundo para o último versículo do Salmo 119; um versículo que choca o leitor atento, pois não há nada parecido com ele em nenhum outro versículo do salmo — isto é: uma confissão de que, apesar de tudo o que se passou anteriormente, de todo louvor e compromisso com a palavra de Deus, agora ele anda errantee está desgarrado(Sl 119.176):

Andei [ando] sem rumo [errante], como ovelha perdida [sem rumo; desgarrada]; vem buscar [procura] teu servo, pois não me esqueci [esqueço] de teus mandamentos.

O que pensar desse final?

O final do Salmo 119 nos faz refletir sobre a verdade de nossa experiência com Deus. Mesmo amando, lendo, memorizando, meditando, buscando compreender e viver a palavra de Deus, muitas vezes nós deixamos o nível de santidade que sabemos que devemos viver como seguidores de Cristo.

Nessas horas, precisamos saber como essa realidade de imperfeição apareceu nos santos das Escrituras e como eles lidaram com ela. Graças a Deus que, no último versículo do Salmo 119, o salmista, ao mesmo tempo que revela sua imperfeição espiritual, apresenta como ele lutou contra os ataques que sofreu.

Nossa grande luta contra o pecado é para manter a fé e a esperança nas promessas de Deus, de forma a prosseguirmos amando Deus e o próximo. Quando perdemos fé e esperança, o pecado ganha terreno em nossa vida e abrimos as portas para o diabo. Dessa forma, ao mesmo tempo que é chocante saber que, mesmo tão próximos da Palavra (como o salmista vivia), nós podemos perder fé e esperança; é também reconfortante aprender com a Escritura, com o testemunho de uma tão grande nuvem de testemunhas, um meio de graça capaz de reanimar nosso coração em Deus. É o que veremos a seguir.

O contra-ataque da fé

Convido você a olharmos para esse último versículo do Salmo 119 e juntos descobrir como o salmista contra-atacou os inimigos de sua fé. Há nesse pequeno versículo três armas que são letais nessa batalha pela fé: confissão; oração; e meditação.

1. Confissão

Andei [ando] sem rumo [errante], como ovelha perdida [sem rumo; desgarrada]

O que o salmista queria dizer? Que ele era um apóstata? Não!

Willem A. VanGemeren, em seu comentário do salmo, escreveu:

A última nota do salmo é o clamor de um espírito quebrantado, e não uma confissão de pecado recorrente ou de apostasia. O salmista, na verdade, está se sentindo impotente, como uma “ovelha perdida” (Jr 50.6; Ez 34.4-6 e 16) e grita ao seu Bom Pastor para “buscá-lo” (Lc 15.4-7).

O que faria alguém tão próximo da palavra de Deus se ver tão impotente e desgarrado, a ponto de ser estraçalhado pelos lobos do pecado? VanGemeren acrescentou: “A perdição do salmista é o resultado das adversidades que ele tão frequentemente mencionou, e não por causa de seu abandono de Deus ou da Palavra”.

Quais adversidades? Provações por causa da fé; ou seja: o salmista se identifica com os fiéis entre o povo de Deus, quando eles enfrentam angústiase aflições(vv. 50, 67, 71, 75, 107, 153), quando eles sofrem desprezoe maus tratospor causa de sua fidelidade, inclusive daqueles entre os membros do povo de Deus que rejeitam a graça de Deus (vs. 22-23, 39, 42, 51, 61, 69, 78, 84-86, 95, 121, 122, 134, 150, 157, 161). No entanto, aprendemos no salmo, que mesmo quando muitos do povo de Deus o abandonam (vv. 21, 53, 139), sempre haverá aqueles que querem buscar a graça do SENHOR para permanecerem fieis.

As adversidades, porém, especialmente as que têm seu tempo prolongado, roubam nossa fé e nossa esperança— combustíveis essenciais para prosseguirmos amando. Sem fé, esperança e amor, tornamo-nos errantese desgarrados— vulneráveis ao pecado, tornamo-nos pasto aprazível, presa fácil para as feras do campo de Satanás (1Pe 5.8-9), sem ter ninguém que nos possa socorrer; somente Deus (Ez 34.5-6; 1Pe 5.10-11).

Adversidades nos fazem flertar com o pecado; por isso Davi ourou como orou — lutando contra, por exemplo, cobiça,vaidade, temor de homens, irae desgosto:

36Inclina o meu coração aos teus testemunhos e não à cobiça. 37Desvia meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho. […] 39Afasta de mim a afronta, que me causa medo, porque os teus juízos são bons.

53De mim se apoderou a indignação, por causa dos pecadores que abandonaram a tua lei.

113Detesto a falsidade, porém amo a tua lei. […] 115Afastem-se de mim, malfeitores; quero guardar os mandamentos do meu Deus. […] 158Vi os infiéis e senti desgosto, porque não guardam a tua palavra.

Cabe-nos reconhecer e confessar que embora, em princípio (teoria), nós não nos desgarramos dos preceitos de Deus (v. 110), na prática, muitas vezes, “andamos errantes [a ponto de perecer] como ovelhas desgarradas [vulneráveis às feras do campo]”(v. 176), flertando com todo tipo de tentações e de pecados. Nessa batalha pela fé, cabe-nos confessar; batalhar em oração. É o que veremos a seguir.

 

2. Oração

vem buscar [procura] teu servo (Sl 119.176)

Crentes de verdade não gostam de viver errantes e desgarrados. Eles reconhecem o perigo de perecer. Sabem que os que vivem errantes e desgarrados, sem sinal de querer o socorro divino, sem sinal de querer voltar para o aprisco, só dão provas de que nãosão e nuncaforam santos de verdade. Essa é uma verdade muito contundente e assustadora da Escritura! Observe (Hb 6.4-6):

4É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, 5e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, 6e caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que [enquanto], de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à ignomínia.

Outro texto (Hb 10.26-27):

26Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados; 27pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários.

O apóstolo João também entendia assim (1Jo 2.19-20):

19Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos. 20E vós possuís unção que vem do Santo e todos tendes conhecimento.

Santos de verdade reconhecem o perigo de viverem errantes e logo buscam o socorro divino, a fim de retornarem ao aprisco (Sl 119.57-60):

57O Senhor é a minha porção; eu disse que guardaria as tuas palavras. 58Imploro de todo o coração a tua graça; compadece-te de mim, segundo a tua palavra. 59Considero os meus caminhos e volto os meus passos para os teus testemunhos. 60Apresso-me, não me detenho em guardar os teus mandamentos.

E quando eles clamam e se voltam quebrantados, eles descobrem que o SENHOR está pronto para recebê-los (Sl 119.68): “Tu és bom e fazes o bem; ensina-me os teus decretos”.

Que dica o salmista nos dá dessa oração que vence a descrença? Note que el se pauta na Palavra:

  • Compadece-te de mim, preciso de tua graça, segundo a tua palavra (v. 58)
  • Vivifica-me segundo a tua palavra (v. 25)
  • Desvenda os meus olhos (v. 18 — seus mandamentos são admiráveis, v. 129!)
  • Inclina o meu coração (v. 36 — a tua lei traz paz aos que a amam – v. 165!)
  • Ensina-me os teus preceitos (v. 12)
  • Fortalece-me na tua palavra (v. 28, 133)
  • Obrigado pela aflição, ela me faz aprender e guardar a tua palavra (v. 67, 71)

Crentes de verdade batalham em oração.

3. Meditação

 pois não me esqueci [esqueço] de teus mandamentos.(Sl 119.176)

Santos de verdade não podem apagar a lei de Deus que foi escrita no seu coração pelo Espírito de Deus. Ela permanece lá, sempre acesa e sedutora. E eles a cumprirão.

Jr 31.33 |Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.

Ez 36.26-27 | 26Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. 27Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.

Há, entretanto, alguns métodos que o salmista utilizou para ver cumprir em sua vida a promessa do SENHOR:

a)  Suplicou pelo auxílio divino — como vimos acima

Abra meus olhos; inclina meu coração; ensina-me seus estatutos.

b) Empenhou-se para ler, memorizar meditar e entender a Palavra

61Laços de perversos me enleiam [embaraçam]; contudo, não me esqueço da tua lei. 62Levanto-me à meia-noite para te dar graças, por causa dos teus retos juízos.

147Antecipo-me ao alvorecer do dia e clamo; na tua palavra, espero confiante. 148Os meus olhos antecipam-se às vigílias noturnas, para que eu medite nas tuas palavras.

c) Juntou-se aos que queriam o mesmo da Palavra

 63Companheiro sou de todos os que te temem e dos que guardam os teus preceitos.

O socorro de Deus

Deus promete socorrer aquelas ovelhas que se veem necessitadas; aquelas que se quebrantam diante dele. Não basta conhecimento da Bíblia. Vimos que o salmista tinha conhecimento, mas “estava errante [a ponto de perecer] e desgarrado [vulnerável aos lobos]”.

O que importou para Deus foi o seu desejo de voltar e permanecer nos braços do Pai. Tem muita gente com conhecimento, mas sem quebrantamento. Muita gente com conhecimento, mas sem amor (por Deus e pelo próximo). Essas pessoas são errantes e vivem desgarradas. James T. Draper escreveu:

Vivemos dias quando o conhecimento da Bíblia é amplo. Mais do que o conhecimento, temos de ter compreensão. Hoje, muitos de nós cristãos possuem um grande estoque de verdade bíblica, mas também temos uma necessidade desesperadora: corações que são sensíveis a Deus e vidas que estejam em harmonia com o SENHOR. Nós não precisamos vaguear errantes, citando a Escritura. Nós precisamos de Deus para infundir vida, entusiasmo e liberdade em nossos corações.

Deus busca e cuida da ovelha quebrantada, mas a cheia de si e arrogante ele pune com justiça (Ez 34.14-17):

14Sim, eu lhes darei bons pastos nas altas colinas de Israel. Elas se deitarão em lugares agradáveis e se alimentarão nos pastos verdes das colinas. 15Eu mesmo cuidarei delas e lhes darei lugar para descansar, diz o SENHOR Soberano. 16Procurarei as perdidas que se desgarraram e as trarei de volta. Enfaixarei as ovelhas feridas e fortalecerei as fracas. Destruirei, porém, as gordas e poderosas. Sim, eu as alimentarei, mas com juízo! 17“Quanto a você, meu rebanho, assim diz o SENHOR Soberano: Julgarei entre um animal e outro do rebanho e separarei as ovelhas dos bodes.

Que palavra de alento e esperança essa de Ezequiel (para o quebrantado de coração)! Deus busca, cuida, protege, dá paz, cura, restaura e alimenta. Ao mesmo tempo, que palavra dura essa do profeta (para o arrogante e cheio de si: o gordo de vaidades, o forte de argumentos). Deus destrói e aplica juízo. Há muitos enganados — achando que são de Deus, mas não são! São bodes. Não julgue ninguém, examine-se a si mesmo!

As ovelhas que são do SENHOR oram como o salmista (Sl 119.176):

Andei [ando] sem rumo [errante], como ovelha perdida [sem rumo; desgarrada]; vem buscar [procura] teu servo, pois não me esqueci [esqueço] de teus mandamentos.

S.D.G. L.B.Peixoto

Compartilhar

Mensagens Recentes