PRINCÍPIOS DE IGREJA MULTIPLICADORA


Qual era o segredo que impactou e transformou tantas vidas em tão pouco tempo e que proporcionou crescimento tão excepcional à igreja primitiva? Investigando o Novo Testamento nós descobriremos, no dia a dia dos discípulos, que tudo girava em torno de cinco princípios estratégicos. Baseando-se neles, Missões Nacionais desenvolveu um conjunto de estratégias que resultou no livro Igreja Multiplicadora. Essa visão não é um modelo de igreja, mas de multiplicação intencional baseada em cinco princípios extraídos das igrejas do Novo Testamento e que busca fazer o maior número de discípulos de Jesus. Veja no que consiste cada um dos princípios:

1) Oração – A oração não era apenas para as horas difíceis nem eventual para os primeiros discípulos. Ela fazia parte do estilo de vida das igrejas. As pessoas oravam sem cessar. Hoje ora-se pouco em comparação com as igrejas do Novo Testamento. A Visão de Igreja Multiplicadora busca desenvolver a prática da oração de forma mais intensa e contínua, pois sem oração nada acontece.

2) Evangelização Discipuladora – Os discípulos compartilhavam as boas-novas em tempo e fora de tempo, estabelecendo relacionamentos discipuladores e usando várias estratégias. O processo de evangelização estará incompleto se não andarmos algumas milhas com as pessoas, compartilhando-lhes verdade e vida. A Evangelização Discipuladora é o relacionamento intencional de um discípulo com outra pessoa, visando torná-la outro discípulo.

3) Plantação de Igrejas – A multiplicação de igrejas foi uma ação estratégica coordenada pelo Espírito Santo logo no início da expansão da igreja. Vemos isso claramente em Paulo e Barnabé, por exemplo. Esse princípio traduz uma estratégia necessária também para hoje, a fim de que, assim como foi lá no início, multipliquemos o número de igrejas em Goiânia, Goiás, Brasil e pelo mundo.

4) Formação de Líderes – A formação de líderes multiplicadores é chave dentro dos planos do Senhor de chegar até os confins da terra com o evangelho. A igreja com líderes sem visão e que não investe na formação de novos líderes dificilmente passará de uma geração. Durante suas viagens missionárias, Paulo sempre focava a formação e a capacitação de novos líderes para que a igreja continuasse no seu crescente desenvolvimento e multiplicação.

5) Compaixão e Graça – O Senhor Jesus, em vários momentos, encheu-se de compaixão diante da multidão que perecia como ovelhas sem pastor (Mateus 9.36). A igreja, noiva de Cristo, não pode fechar os olhos para as necessidades das pessoas dentro de seu raio de alcance, e até mesmo em lugares mais distantes.

A Visão de Igreja Multiplicadora, na verdade, não é uma visão de um líder específico ou de uma organização, mas as bases sobre as quais a igreja foi plantada, cresceu e se desenvolveu no período do Novo Testamento e chegou aos nossos dias.

Com carinho, Leandro B. Peixoto.

Texto extraído e adaptado do livro: Igreja Multiplicadora (p. 15-24),

org. por Fernando Brandão. Ed. Convicção e Missões Nacionais.

Compartilhar

Textos Recentes