A CEIA DO SENHOR [PAR. 4]

A CEIA DO SENHOR [PAR. 4]
Compartilhar

A CEIA DO SENHOR [PAR. 4]

Lucas 22.19-20

19[Jesus] Tomou o pão e agradeceu a Deus. Depois, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Este é o meu corpo, entregue por vocês. Façam isto em memória de mim”. 20Depois da ceia, Jesus tomou o cálice de vinho e disse: “Este é o cálice da nova aliança, confirmada com o meu sangue, que é derramado como sacrifício por vocês.

As ordenanças da igreja

Esta será a última mensagem sobre a ceia do Senhor desta série sobre as ordenanças da igreja. Semana que vem, pela manhã, Deus permitindo, completaremos a série, falando sobre batismo: Quando batismo não é batismo? Assim, serão dez mensagens no total sobre as ordenanças da igreja:seis sobre batismoe quatro sobre a ceia.

Como nós celebramos a ceia do Senhor?

A forma como nós batistas celebramos a ceia do Senhor está bem expressa na nossa Declaração Doutrinária — DD-CBB (Artigo 9o), que diz assim:

A ceia do Senhoré uma cerimônia da igreja reunida, comemorativa e proclamadora da morte do Senhor Jesus Cristo, simbolizada por meio dos elementos utilizados: o pão e o vinho. Nesse memorial, o pão representa seu corpo dado por nós no Calvário e o vinho simboliza o seu sangue derramado. A ceia do Senhor deve ser celebrada pelas igrejas até a volta de Cristo e sua celebração pressupõe o batismo bíblico e o cuidadoso exame íntimo dos participantes.

Você pode rever o que já estudamos, conhecer o que cremos ou se aprofundar neste tema acessando as outras mensagens desta série, disponíveis no site da nossa igreja: https://www.sibgoiania.org/sermon-category/as-ordenancas-da-igreja/.

Como o cristão deve celebrar a ceia do Senhor?

Hoje, finalizando, o nosso assunto será: Como o cristão deve celebrar a ceia do Senhor? Com qual postura? Com que mentalidade?

Ray Stedman, um dos mentores de Charles R. Swindoll, foi quem cunhou a frase célebre entre os crentes americanos: “Viver com os santos no céu será a glória, mas viver com eles na terra já é outra história!”. É assim, meu povo? Aqui entre nós não, né? Mas, parece que os crentes de Corinto realmente encarnaram o dito popular americano. Afinal, ao lermos a primeira carta de Paulo aos Coríntios, descobrimos que os problemas que eles tinham na comunhão da igreja abrangiam todos os tipos e tamanhos.

Primeiro, eles se dividiam na preferência por líderes (1Co 3), criando grupinhos ou lobbys dentro da igreja (uns se diziam de Paulo, outros de Apolo, outros de Pedro e outros, os mais “espirituais”, de Cristo). Depois, vangloriavam-se de seus dons de tal maneira, que o apóstolo precisou escrever-lhes para esclarecer a finalidade dos dons espirituais (1Co 12-14). A coisa era tão séria entre eles que nem mesmo eram capazes de sentarem-se à mesa sem criar encrenca. Ninguém pensava no outros. Era cada um por si:

1Co 11.17-22 | 17Nas instruções a seguir, porém, não posso elogiá-los, pois, quando vocês se reúnem, fazem mais mal que bem. 18Primeiro, ouço que há divisões quando vocês se reúnem como igreja e, até certo ponto, eu o creio. 19Suponho que seja necessário haver divisões entre vocês para que se reconheçam os que são aprovados! 20Quando vocês se reúnem, não estão interessados de fato na ceia do Senhor. 21Alguns de vocês se apressam em comer a própria refeição; como resultado, alguns passam fome, enquanto outros ficam embriagados. 22Será que vocês não têm casa onde comer e beber? Ou querem mesmo envergonhar a igreja de Deus e humilhar os pobres? Que devo dizer? Querem que eu os elogie? Certamente não os elogiarei por isso!

            Tendo ralhado com eles, Paulo passa a recapitular algumas verdades, reforçando que a celebração da ceia do Senhor é o momento da igreja quando a cruz de Cristo é exaltada entre todos na congregação. Então, com os refletores iluminando o Calvário, Paulo faz os cristãos olharem em quatro direções distintas, ensinando-nos sobre como cada um de nós, crentes professos em Cristo, deve celebrar a ceia do Senhor.

1. Olhe para trás: a centralidade da morte de Cristo

23Pois eu lhes transmiti aquilo que recebi do Senhor. Na noite em que o Senhor Jesus foi traído, ele tomou o pão, 24agradeceu a Deus, partiu-o e disse: “Este é meu corpo, que é entregue por vocês. Façam isto em memória de mim”. 25Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, confirmada com meu sangue. Façam isto em memória de mim, sempre que o beberem”.

O pão que comemos e o cálice que bebemos são sinais da entrega que Jesus faz de si mesmo por nós pecadores. Assim, a ceia do Senhor proclama que a salvação que Cristo realizou por nós na cruz foi completa (o justo morreu pelo injusto). Proclama-nos que a salvação que recebemos não é merecida por causa de nossas obras, mas recebida por causa da graça de Deus e por meio de nossa fé somente. O pecado não nos separa mais de Deus. Nem deve nos separar uns dos outros (Ef 2.14):

Porque Cristo é nossa paz [com Deus, Rm 5.1 e uns com os outros, Rm 12.18]. Ele uniu [em si mesmo]judeus e gentios em um só povo ao derrubar o muro de inimizade que nos separava.

A ceia do Senhor lança os refletores sobre a cruz de Cristo porque exatamente ali Deus estava salvando o pecador, revertendo toda a história e redimensionando todos os relacionamentos, fazendo tudo convergir em Cristo Jesus (Ef 1.10). Os cristãos, quando celebram a ceia do Senhor, devem olhar para trás, para a cruz de Cristo que nos salvou.

2. Olhe para frente: a esperança da vinda de Cristo

26Porque cada vez que vocês comem desse pão e bebem desse cálice, anunciam a morte do Senhor até que ele venha.

            Cristo mesmo afirmou aos discípulos (Lc 22.18): “desde agora não beberei mais do fruto da videira até que venha o reino de Deus”, certamente se referindo à sua segunda vinda.

Na ceia, os cristãos evidenciam a esperança que têm; não vivemos um “vamos ver o que vai dar”; nosso lema não é “seja o que Deus quiser”, como que dizendo: “a sorte está lançada”. A história humana não é um carro desgovernado, precipício abaixo. Nós sabemos que o universo será restaurado, sem lugar para guerras, pestes, fomes e morte.

O Novo Testamento está repleto de promessas sobre a vinda de Cristo: será dia de juízo para os ímpios (Mt 25.31-46) e de recompensa para os salvos (Ap 3.11-12). Assim é que, na ceia do Senhor, os cristãos anunciam que chagará o dia quando todos se curvarão diante de Jesus Cristo (Fl 2.9-11):

9Por isso Deus o elevou ao lugar de mais alta honra e lhe deu o nome que está acima de todos os nomes, 10para que, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre, nos céus, na terra e debaixo da terra, 11e toda língua declare que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai.

Cristo conquistou a vitória final dos santos. Agora, celebramos a ceia do Senhor com a expectativa de que ele virá em breve, e faremos isso “até que ele venha”.

3. Olhe ao redor: o desafio missionário

26Porque cada vez que vocês comem desse pão e bebem desse cálice, anunciam a morte do Senhoraté que ele venha.

A igreja, reunida para a ceia do Senhor, anuncia a morte do Senhor; a ceia fala do sacrifício de Jesus, permite-nos, conforme já vimos, olhar para trás, para a cruz de Cristo; mas a ceia também nos permite revelar que em Cristo nós somos um: houve reconciliação com Deus e uns com os outros. A ceia nos permite olhar ao redor.

Além da palavra pregada, não há ferramenta mais poderosa para se anunciar a mensagem da cruz de Cristo do que uma igreja que vive em união no Senhor Jesus Cristo:

Jo 17.20-21 | 20“Não te peço apenas por estes discípulos, mas também por todos que crerão em mim por meio da mensagem deles. 21Minha oração é que todos eles sejam um, como nós somos um, como tu estás em mim, Pai, e eu estou em ti. Que eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.

Após distribuirmos os elementos da ceia (pães e cálices), sempre perguntamos se alguém ficou sem receber. Isso revela que nos preocupamos uns com os outros. Mas nós também devemos nos lembrar que milhares e milhares lá fora no mundo estão ausentes da mesa do Senhor, pois ainda não receberam o evangelho da reconciliação com Deus.

A ceia do Senhor nos faz olhar ao redor; faz-nos um desafio missionário; quantas ovelhas do Senhor ainda não foram resgatadas e trazidas para a comunhão da mesa do Pai! Sejamos um, vivamos em amor, para que o mundo creia em Cristo; e anunciemos o evangelho com graça e verdade. A ceia do Senhor nos faz olhar ao redor.

4. Olhe para dentro: a necessidade do autoexame

27Assim, quem come do pão ou bebe do cálice do Senhor indignamente é culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. 28Portanto, examinem-se antes de comer do pão e beber do cálice, 29pois, se comem do pão ou bebem do cálice sem honrar o corpo de Cristo, comem e bebem julgamento contra si mesmos. 30Por isso muitos de vocês estão fracos e doentes e alguns até adormeceram. 31Se examinássemos a nós mesmos, não seríamos julgados dessa maneira. 32Mas, quando somos julgados pelo Senhor, estamos sendo disciplinados para que não sejamos condenados com o mundo. 33Portanto, meus irmãos, quando se reunirem para comer, esperem uns pelos outros. 34Se estiverem com fome, comam em casa, a fim de não trazer julgamento sobre si mesmos ao se reunirem. Eu lhes darei instruções a respeito de outros assuntos depois que chegar aí.

O autoexame é feito à luz da forma como trato e convivo com o próximo, principalmente os meus irmãos (1Co 10.16-17). O cristianismo me faz olhar para o outro com amor e compaixão. Eu espero por ele, sirvo a ele com fé, esperança e amor. Reparto com o outro o fruto do Espírito e nunca as obras da carne. Viver na carne e participar da mesa do Senhor sem esse tipo de autoexame, é desonrar o corpo de Cristo (v. 29, sentido duplo: tanto o sacrifício de Jesus como a igreja que ele comprou com seu sangue).

Aqueles que insistem em viver sem arrependimento e fé dentro da igreja, Deus mesmo se encarrega de tirá-los de circulação para que não sejam condenados com o mundo (v. 30-32). Assim, após se autoexaminar e certificar-se de que está em paz com os irmãos, espera-se pelos outros em amor e, então, comemos todos juntos.

A ceia do Senhor nos faz olhar para dentro, impõem-nos a necessidade do autoexame diante do Pai.

Como o cristão deve celebrar a ceia do Senhor?

O cristão celebra a ceia do Senhor olhando para trás, para a cruz de Cristo (fé); olhando para frente, para a segunda vinda de Cristo (esperança); olhando ao redor, para os que ainda estão perdidos (amor); olhando para dentro de si mesmo, para os pecados contra o próximo, os irmãos e, principalmente, contra Deus (arrependimento). Ao celebrar a ceia do Senhor, o cristão celebra o evangelho da glória e da graça de Deus.

Concientes disso, participemos da ceia do Senhor, mais uma vez, até que ele venha nos buscar. Sigamos os passos de Jesus (Lc 22.19-20):

19[Jesus] Tomou o pão e agradeceu a Deus. Depois, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Este é o meu corpo, entregue por vocês. Façam isto em memória de mim”. 20Depois da ceia, Jesus tomou o cálice de vinho e disse: “Este é o cálice da nova aliança, confirmada com o meu sangue, que é derramado como sacrifício por vocês.

S.D.G. L.B.Peixoto

Compartilhar

Mensagens Recentes