O DIA DO SENHOR


O domingo oferece-nos excelente oportunidades para crescermos espiritualmente. Alguns assistem só a Escola Dominical ou só o culto pela manhã, e outros somente o culto da noite. Acham que isso lhes basta. Mas o dia não é nosso, é do Senhor e devemos aproveitar todos os momentos e oportunidades que nos são oferecidos.

Fora dos horários das reuniões na igreja, devemos aproveitar o domingo para ler e estudar a Palavra de Deus e meditar nos seus ensinos, nos preparando espiritualmente para mais uma semana de atividades. Há bons livros de edificação espiritual que podem ocupar as nossas horas de lazer no dia do Senhor.

Os trabalhos externos da igreja; evangelização, beneficência, devem ter nossa cooperação; em promover o reino de Deus, nas congregações, nos pontos de pregações, nas visitas evangelísticas e a amigos e aparentes, nos hospitais, nos presídios, etc. Sempre encontraremos inúmeras oportunidades para testemunhar do nosso Salvador e fazer uso do seu dia com toda a dignidade.

Não há dúvida de que o dia é também para descanso e devemos dedicá-lo a renovação de nossas energias. Entretanto o melhor descanso, é a mudança de atividades. Devemos evitar a guarda do domingo aos extremos do legalismo e da frouxidão; Sejamos sensatos em guarda-lo de modo agradável a Deus. Quando um crente deixa de observar o Dia do Senhor, ele deu o primeiro passo para uma porção de outros pecados, com que satanás procura arruinar sua vida espiritual.

Nos dias de Neemias, o sábado era profanado com atividades comerciais; foi preciso que ele agisse com firmeza para acabar com essa transgressão (Ne 13:15-21). Vivemos num país católico em que muitas atividades comerciais e sociais são mais intensas no domingo. Precisamos exercer severa vigilância para não nos conformarmos com o padrão de vida dos não crentes. Quem despreza o dia santo do Senhor está no caminho certo para a sua derrota espiritual, privando-se dos privilégios que este dia lhe oferece. Quantas benções na assistência aos cultos, quanta alegria em cantar, orar, estudar a Palavra de Deus, quanta felicidade em falar do amor de Cristo! Tudo isso perde aquele que foge dos seus deveres dominicais.

Tomé não estava presente à reunião com os discípulos, no domingo após a ressureição, quando Jesus lhes apareceu; o que lhe aconteceu? No domingo seguinte estava com os discípulos, cheio de dúvidas e pesar quando novamente Jesus lhes aparece e o repreendeu: como o Senhor o amava muito, o fez com amor (Jo 20.19-26). É sempre assim, quando deixamos o nosso lugar vazio na igreja, perdemos benções incontáveis.

Pr. Arildo Mota dos Reis Pessoa
Pastor Emérito

Compartilhar

Textos Recentes