Confissões de Fé e Pactos


Quando lá no início do século XVII, os batistas começaram a organizar suas primeiras igrejas, eles seguiram o padrão dos demais descendentes da Reforma Protestante e adotaram pactos para as igrejas, juntamente com confissões de fé.

A Confissão de Fé trata daquilo que se crê como os elementos essenciais da fé cristã, é a declaração que fazemos a respeito das doutrinas bíblicas que protegemos e proclamamos. O Pacto das igrejas, por sua vez, é o complemento ético da Confissão de Fé.

Ao tornar-se membro de uma igreja batista (através do batismo, de carta de transferência de outra igreja batista afiliada à Convenção Batista Brasileira [CBB] ou da aclamação mediante testemunho de fé e comprovação do batismo bíblico), o cristão afirma para todos os demais membros que assume como sua a Declaração Doutrinária da igreja e que se compromete a cumprir o Pacto adotado pela congregação.

A seguir, o Pacto que firmamos como igreja afiliada à CBB.

“Tendo sido levados pelo Espírito Santo a aceitar a Jesus Cristo como único e suficiente Salvador, e batizados, sob profissão de fé, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, decidimo-nos, unânimes, como um corpo em Cristo, firmar, solene e alegremente, na presença de Deus e desta congregação, o seguinte Pacto:

Comprometemo-nos a, auxiliados pelo Espírito Santo, andar sempre unidos no amor cristão; trabalhar para que esta igreja cresça no conhecimento da Palavra, na santidade, no conforto mútuo e na espiritualidade; manter os seus cultos, suas doutrinas, suas ordenanças e sua disciplina; contribuir liberalmente para o sustento do ministério, para as despesas da igreja, para o auxílio dos pobres e para a propagação do evangelho em todas as nações.

Comprometemo-nos, também, a manter uma devoção particular; a evitar e condenar todos os vícios; a educar de forma cristã nossos filhos; a procurar a salvação de todo o mundo, a começar dos nossos parentes, amigos e conhecidos; a ser corretos em nossas transações, fiéis em nossos compromissos, exemplares em nossa conduta e ser diligentes nos trabalhos seculares; evitar a detração (diminuição, desvalorização, menosprezo), a difamação e a ira, sempre e em tudo visando à expansão do reino do nosso Salvador.

Além disso, comprometemo-nos a ter cuidado uns dos outros; a lembrarmo-nos uns dos outros nas orações; ajudar mutuamente nas enfermidades e necessidades; cultivar relações francas e delicadeza no trato; estar prontos a perdoar as ofensas, buscando, quando possível, a paz com todos os homens.

Finalmente, nos comprometemos a, quando sairmos desta localidade para outra, nos unirmos a uma outra igreja da mesma fé e ordem, em que possamos observar os princípios da Palavra de Deus e o espírito deste Pacto. O Senhor nos abençoe e nos proteja para que sejamos fiéis e sinceros até a morte.”

Texto Adaptado da Publicação:
Membresia é Importante!, Lição 5 “O Pacto”, escrito por
Pr. Leandro B. Peixoto.

Compartilhar